06 novembro 2018

Liga dos Campeões 2018/19: Internazionale de Milão e Barcelona empatam e equipe espanhola garante vaga nas oitavas de finais faltando duas rodadas para o encerramento da fase de grupos

Procure lá no dicionário da bola, e talvez você entenda que o que o Barcelona fez na tarde desta terça-feira foi "jogar com o regulamento debaixo do braço". Sabendo que um simples empate seria o suficiente para assegurar presença nas oitavas de final da Liga dos Campeões, o Barça não fez nenhuma partida espetacular, mas dominou o jogo do início ao fim e, mesmo atuando no San Siro, sofreu pouco diante da Inter de Milão. Em determinados momentos, faltou até objetividade para o time catalão - justamente o que sobrou para Malcom. O brasileiro entrou e, com dois minutos, abriu o placar do jogo. Mas Icardi, matador como de costume, decretou o 1 a 1 logo em seguida. Afinal, era só o que o Barcelona precisava - e um resultado não tão ruim para a Inter.

Muito se falou nos dias que antecederam o duelo sobre a situação de Malcom no Barcelona - especulou-se, inclusive, um desejo do jogador em sair do clube no fim do ano. É que o técnico Ernesto Valverde, de fato, não vem dando muitas chances ao brasileiro: ele havia atuado em apenas duas partidas na temporada, totalizando 25 minutos em campo. Pois Malcom entrou nesta terça, e com fome de bola. No seu primeiro lance, invadiu a área no contra-ataque, colocou Asamoah para dançar e bateu firme para abriu o placar - Handanovic, um monstro no duelo até então, aceitou. Na comemoração, o atacante levou as mãos ao rosto e pareceu visivelmente emocionado. Esse foi seu primeiro gol pelo Barcelona.

Tivemos três convocados para a seleção brasileira na partida, embora apenas dois tenham entrado em campo. Miranda, presente na lista do técnico Tite para os amistosos contra Uruguai e Camarões, não saiu do banco. Coutinho, por sua vez, foi titular no Barcelona e fez uma ótima partida: finalizou ao menos três bolas que obrigaram Handanovic a trabalhar no gol da Inter, além de ter iniciado o lance que culminou no gol de Malcom. Também titular, Arthur teve atuação mais discreta, mas não comprometeu e acabou substituído por Vidal na metade do segundo tempo.

O Barcelona é o primeiro classificado para as oitavas de final. Invicto até aqui -venceu três jogos e empatou nesta terça -, o time catalão chegou aos 10 pontos e garantiu, ao menos, a segunda colocação do Grupo B. A Inter, que tem sete, vem logo atrás na segunda colocação.

O próximo compromisso da Inter de Milão na temporada é contra a Atalanta no domingo, às 9h30 (de Brasília), pelo Campeonato Italiano. O Barcelona, por sua vez, vai a campo no mesmo dia para encarar o Betis, às 13h15, pelo Campeonato Espanhol.

As duas equipes voltam a campo pela Liga dos Campeões no dia 28 de novembro, uma quarta-feira. A Inter de Milão faz um jogo importantíssimo contra o Tottenham, em Londres; enquanto o Barcelona visita o PSV na Holanda. Ambos os jogos estão marcados para 18h (de Brasília).

Fonte: globoesporte.com



Leia Mais »

01 novembro 2018

Copa Sul-Americana 2018: Nos pênaltis, Atlético-PR vence o Bahia e avança para as semifinais da competição

Em um jogo com emoções à flor da pele para os dois lados, o Bahia devolveu o resultado na Fonte Nova com o gol de Douglas Grolli sobre o Atlético-PR, na Arena da Baixada. O placar magro de 1 a 0 foi o resultado de uma partida muito brigada, com muita reclamação, mas pouco futebol e que acabou sendo decidida nos pênaltis e por Santos, que defendeu o primeiro pênalti do Bahia cobrado por Vinicius. A pressão desastabilizou Zé Rafael, que bateu para fora e deixou o Atlético-PR com vantagem de dois gols. As cobranças do Furacão foram perfeitas e fechadas por Pablo para definir a vitória do Furacão. O time agora pega o Fluminense na semifinal da Sul-Americana.

Primeiro tempo

Tudo bem que é jogo decisivo para os dois times, mas o Bahia levou muito ao pé da letra e entrou em campo na ponta dos cascos, correndo para todos lados e também brigando muito, que resultou em três cartões, todos eles por reclamação. Até mesmo Vinicius, do banco, tomou o cartão amarelo quando reclamou muito do apito do árbitro, que parou a jogada que resultou em gol de Junior Brumado, aos 17 minutos. Ele não concordou com decisão - bastante controversa - de que Zé Rafael fez falta em Léo Pereira antes da bola chegar para Brumado. Além dos três do Bahia - Léo, Élber e Vinicius -, o lateral Renan Lodi completou a lista dos amarelados no primeiro tempo.

A bola lançada com a mão da lateral esquerda por Léo, dentro da área do Atlético-PR, pegou toda a defesa desprevenida, que ninguém nem viu Nilton desviar e Doulgas Grolli emendar (também no susto) para dentro do gol já nos descontos do primeiro tempo. Esse valeu e não precisou de VAR para mostrar que o time ficou bem mais calmo no segundo tempo, apesar da pressão do Furacão.

Segundo tempo

O Atlético-PR ficou nervoso no segundo tempo, tentou na base do abafa, pressionou, mas chutava mal, quando finalizava. O maior exemplo de como o time estava com problema estava espelhado em Pablo, artilheiro e jogador frio, mas que errava bolas seguidas e chegou a isolar chutes da entrada da área com qualquer outro atacante pouco familiarizado com a bola. Sobraram socos no ar e xingamentos, mas faltou técnica no campo.

Pênaltis

A vaga do Furacão começou a ser decidida logo na primeira, quando Santos defendeu a cobrança de Vinícius, que entrou com o objetivo de participar da decisão. Depois foi Zé Rafael, o craque do Bahia, que isolou a bola na segunda cobrança. Enquanto isso, Jonathan, Raphael Veiga, Lucho e Pablo fizeram para o Furacão. Edigar Junio fez a única cobrança para o gol pelo Bahia

O Atlético-PR volta a jogar pela Sul-Americana no próximo dia 7 de novembro, na Arena da Baixada, no primeira decisão contra o Fluminense. Antes disso, o time pega o Internacional neste domingo, pelo Brasileirão. O Bahia volta para a briga no Brasileirão e pega a Chapecoense, na Fonte Nova, neste domingo.

Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

Taça Libertadores 2018: Em casa, Palmeiras empata com o Boca Juniors no jogo da volta e dá adeus a competição

O Palmeiras lutou bastante, mas não conseguiu superar o Boca Juniors na noite desta quarta-feira, na arena alviverde, no jogo de volta da semifinal da Libertadores. Com o empate em 2 a 2, o Boca se classificou para a final da competição continental por ter vencido a partida de ida, na Bombonera, por 2 a 0. O gol de empate foi do atacante Benedetto, que já tinha marcado duas vezes em Buenos Aires. E a decisão será argentina: o River Plate eliminou o Grêmio na terça-feira ao ganhar por 2 a 1 em Porto Alegre.

PRIMEIRO TEMPO

O primeiro tempo começou quente na arena do Palmeiras. Empurrado pela torcida, o Verdão tentou encurralar o Boca Juniors com três bolas cruzadas para a área. Aos 9 minutos, na primeira bola trabalhada pelo chão, Bruno Henrique completou para a rede uma bola cruzada por Dudu, mas o árbitro colombiano Vilmar Roldán, auxiliado pelo VAR, marcou impedimento de Deyverson no início da jogada. Depois disso, o Boca passou a ter a bola nos pés e, na base do toque, abriu o placar aos 17, com Ábila ultrapassando Luan após cruzamento de Villa. Então, aberto, o jogo ficou lá e cá. Mais nervoso, o Palmeiras chegou de forma menos organizada, mas perigosa. Só que o Boca também teve chance de aumentar a vantagem: foram seis finazalições cada, com três chance reais de gol para a equipe argentina contra duas da equipe brasileira.

SEGUNDO TEMPO

Com a missão de fazer quatro gols para ser finalista, o Palmeiras foi para cima desde o primeiro minuto do segundo tempo. E a pressão deu certo com dois gols de zagueiros: aos 7, Luan empatou o placar; aos 15, em pênalti sofrido por Dudu, Gómez virou para o Verdão. Felipão teve que tirar Willian, machucado, mas Borja quase fez o terceiro gol alviverde assim que entrou, aos 17. O problema é que, aos 24, Benedetto, que já tinha feito os dois gols argentinos na partida de ida, novamente entrou e foi para a rede. Com o 2 a 2, o Verdão teria que fazer mais três gols na metade final do segundo tempo; por isso, o ritmo caiu. Aos 31, Zárate ainda acertou a trave de Weverton. O Palmeiras terminou com 63% de posse de bola e 19 finalizações contra 10 do adversário, que foi mais perigoso: cinco chances reais contra quatro.

Na última rodada do Grupo 8, ainda sob o comando de Roger Machado, o Palmeiras venceu o Junior Barranquilla na arena por 3 a 1 e garantiu a melhor campanha da fase de grupos da Libertadores. Mas, por tabela, ajudou a classificar o Boca Junior para as oitavas. Depois do jogo, Felipão foi questionado se o Verdão não deveria ter entregado aquele jogo para eliminar antes o adversário da semifinal... E respondeu na lata:

– Seria uma vergonha mundial. O time do Palmeiras, ou qualquer outro time, tem de jogar futebol e jogar para vencer, como fez. Não existe isso. Temos respeito na profissão – afirmou o técnico.

Aos 9 minutos do primeiro tempo, quando o jogo ainda estava 0 a 0, Bruno Henrique mandou para a rede uma bola cruzada por Dudu, mas o gol foi anulado com a ajuda do árbitro de vídeo. Um minuto depois, antes de a partida recomeçar, o árbitro colombiano Vilmar Roldán, alertado pelo chileno Julio Bascuñán, marcou impedimento de Deyverson no início da jogada. O juiz nem quis ver o lance no monitor de TV ao lado do campo.

No primeiro tempo, Felipe Melo e Deyverson fizeram o tradicional gesto do árbitro de vídeo pedindo que Roldán fosse verificar o monitor. Aos 26, Felipe Melo tomou cartão amarelo por supostamente acertar uma cotovelada em Pérez – e o volante queria a prova de que não tinha feito nada. Aos 47, Pérez cortou um cruzamento para a área com o braço colado no corpo; Deyverson ficou maluco, mas nem escanteio o juiz deu..

Felipão sofreu com o Palmeiras ao lado do gramado, mas o técnico adversário, Gustavo Schelotto, teve que acompanhar a partida do alto por causa de uma suspensão. Até de falar com seus jogadores, antes ou no intervalo da partida na arena, ele estava proibido. Seu irmão Gustavo é quem ficou no banco de reservas.

Será a 11ª final de Libertadores do Boca Juniors: o time argentino tem seis títulos (1977, 1978, 2000, 2001, 2003 e 2007) e quatro vices (1963, 1979, 2004 e 2012). O Palmeiras foi a quatro decisões (1961, 1968, 1999 – quando ganhou – e 2000).

A Libertadores será decidida por times do mesmo país pela terceira vez, a primeira entre equipes argentinas. As duas anteriores foram brasileiras: São Paulo x Atlético-PR (2005) e Internacional x São Paulo (2006).

O Palmeiras lidera a competição nacional com quatro pontos de vantagem para o Flamengo, segundo colocado, faltando sete rodadas. No sábado, em sua arena, o Verdão faz o clássico paulista contra o Santos, às 19h (de Brasília).

Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

31 outubro 2018

Copa Sul-Americana 2018: Fluminense vence o Nacional, fora de casa, e avança para as semifinais da competição

O sonho do título inédito da Copa Sul-Americana continua vivo. Com grande atuação coletiva e o famoso espírito guerreiro, o Fluminense venceu o Nacional por 1 a 0, calou a torcida uruguaia no histórico estádio Parque Central, e conquistou a vaga nas semifinais da competição, onde enfrentará Atlético-PR ou Bahia. Luciano marcou o gol da classificação aos 3 minutos do 2º tempo. O Tricolor precisava de uma vitória por 1 a 0 ou de um empate de 2 a 2 em diante após o 1 a 1 no Rio de Janeiro na semana passada.

Para se classificar, o Flu precisava superar o ótimo retrospecto do Nacional em seu estádio. Nos sete jogos no Parque Central em competições internacionais em 2018, o time uruguaio havia vencido seis, empatado um e não sofrido nenhum gol. Diante de um estádio lotado, o Tricolor quebrou a escrita e eliminou os donos da casa.

1º TEMPO

Precisando do resultado, o Fluminense começou tomando a iniciativa. Aos 15, chegou a balançar as redes com Digão, mas o árbitro anulou o gol indicando falta de Richard no lance. Aos 30, Everaldo invadiu a área em velocidade, mas foi desarmado por García bem na hora do chute. Os tricolores chegaram a pedir pênalti, mas o jogador do Nacional tocou na bola. Minutos depois, o Nacional chegou duas vezes com perigo em bolas alçadas na área. Gum e Júlio César tiraram. Aos 39, o Flu perdeu a sua maior chance. Luciano deixou Ayrton Lucas na cara do gol, mas o lateral chutou mascado e a defesa tirou.

2º TEMPO

O Flu voltou do intervalo com a mesma postura, partindo para cima do adversário. Com menos de 1 minuto, Ayrton Lucas fez grande jogada pela linha de fundo e cruzou para Luciano, que chutou para fora. Aos 4 minutos, o goleiro Conde saiu tocando errado, Sornoza interceptou e tocou para Luciano, que dessa vez não perdoou. No lance seguinte, o Nacional quase empatou em bola cruzada na área. Aos 8, Ibañez quase fez o segundo, de cabeça. Os uruguaios tentaram duas vezes com chutes de fora da área. E o Flu chegou novamente aos 28, mas o passe de Luciano para Sornoza foi longo demais. Aos 45, Matheus Alessandro, em contra-ataque, teve chance de matar o jogo, mas chutou para fora cara a cara com o goleiro. Para alívio dos tricolores, o gol não fez falta, e o Flu avançou às semifinais.

Dúvida para a partida após ter sofrido uma entorse no joelho direito e uma pancada no tornozelo da mesma perna no jogo de ida, o zagueiro foi um dos destaques da partida. Teve grande atuação defensiva e, mesmo com dores no 2º tempo, seguiu em campo até o fim.

O gol da classificação, marcado por Luciano, surgiu de um vacilo do goleiro Conde. Após uma bola ao chão, o arqueiro do Nacional deu um passe fraco para o companheiro de equipe. Sornoza interceptou e serviu Luciano, que não perdoou. Os jogadores uruguaios chegaram a reclamar, acusando o Fluminense de falta de fair play. Mas a jogada já havia tido sequência e a falha ficou na conta do goleirão.

Sem o lateral-direito Léo, machucado, o técnico Marcelo Oliveira deslocou Jadson para a função, colocando Airton no time. Com a improvisação pela direita, o Fluminense usou ainda mais o lado esquerdo para atacar. Ayrton Lucas e Everaldo foram alguns dos destaques do time, com boas jogadas em velocidade e dribles pelo setor.

Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

Copa da Liga Inglesa 2018/19: Chelsea vence Derby County e avança para a próxima fase

Com time misto, o Chelsea sofreu, mas conseguiu a vitória diante do Derby County. Os Blues contaram com dois gols contra e um tento de Fàbregas para construir o triunfo, ainda no primeiro tempo. Marriott e Waghorn marcaram para o Derby, também na primeira etapa. Os visitantes tentaram pressionar nos últimos minutos da partida e chegaram a acertar a trave, com Nugent. Caballero também fez boas defesas para impedir o empate e garantir o 3 a 2, que coloca a equipe londrina nas quartas de final da Copa da Liga Inglesa.

Apesar de ter criado um bom número de oportunidades durante a partida, o Chelsea só conseguiu marcar os dois primeiros gols com uma mãozinha da defesa adversária. Os zagueiros Tomori e Keogh marcaram contra na primeira etapa. Tomori, inclusive, pertence aos Blues e está emprestado ao Derby County.

Aos 43 minutos da segunda etapa, o atacante Nugent, do Derby County, recebeu a bola dentro da área e acertou a trave. Caso tivesse marcado, o jogo seria decidido apenas nos pênaltis. Mas, como o poste foi amigo do Chelsea, o jogo terminou no tempo regulamentar, e os Blues se classificaram para as quartas da Copa da Liga.

Frank Lampard retornou ao Stamford Bridge pela primeira vez como técnico. O ex-meia inglês, que é o maior artilheiro da história do Chelsea, com 211 gols, recebeu muitas homenagens da torcida dos Blues. Antes e depois do jogo, os fãs bateram palmas para Lampard e cantaram músicas de exaltação a ele. O atual treinador do Derby retribuiu em várias oportunidades e não comemorou os gols marcados pelos seus comandados.

OUTROS RESULTADOS DA COPA DA LIGA:

Jogos da quarta-feira (todos válidos pelas oitavas de final):

Arsenal 2 x 1 Blackpool

West Ham 1 x 3 Tottenham

Middlesbrough 1 x 0 Crystal Palace

No próximo domingo, o Chelsea jogará novamente no Stamford Bridge, contra o Crystal Palace, pela Premier League. Já o Derby, receberá o Birmingham, no sábado, em jogo válido pela segunda divisão inglesa.

Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

Taça Libertadores 2018: Grêmio perde para o River Plate, em casa, e está eliminado da competição

O dilúvio que caiu sobre Porto Alegre ao final do segundo jogo entre Grêmio e River Plate, na semifinal da Libertadores, parecia as lágrimas dos mais de 50 mil tricolores que foram à Arena na noite desta terça-feira. O sonho do tetra ficou pelo caminho. Endossado pelo uso da tecnologia, os argentinos viraram sobre os brasileiros e classificaram-se para a final. O VAR foi definitivo na partida, quando o árbitro Andrés Cunha consultou as imagens para conceder um pênalti aos argentinos aos 41 minutos do segundo tempo. E Pity Martínez saiu do banco para calar o estádio.

Renato Gaúcho armou o Grêmio para esperar o River e sair no contra-ataque. Mas o time ficou espremido na intermediária e apresentou dificuldades para jogar. Assim, os argentinos começaram a experimentar em chutes de fora da área, com Ponzio e Palacios. Alisson também mandou para fora uma finalização. Aos 31, Ponzio sentiu lesão muscular e deu lugar a Enzo Perez. Quando menos se esperava, um escanteio mal batido por Alisson caiu à feição de Leonardo, da entrada da área, acertar um belo chute à direita de Armani. Foi o desafogo gremista.

Marcelo Gallardo tornou seu time mais ofensivo com a entrada de Pity Martínez, mas quem teve as primeiras melhores chances dos segundo tempo foi o Grêmio. Everton substituiu Maicon, com dores na coxa, aos oito minutos, e finalizou para defesa de Armani aos 16. Cinco minutos depois, o Cebolinha recebeu lançamento de Cícero e saiu na cara do goleiro, que salvou o River. A chuva que já caía sobre Porto Alegre aumentou, bem como a pressão argentina. Até que, aos 36, Borré cabeceou livre na área e empatou. Aos 41, o lance que definiu o jogo. Com o auxílio do VAR, o árbitro Andrés Cunha marcou pênalti em toque no braço de Bressan na área. O zagueiro foi expulso, teve confusão e, ao fim de tudo, Pity Martínez converteu a penalidade.

Recuperado de lesão muscular que o tirou do primeiro jogo, Everton voltou aos gramados com oito minutos do segundo tempo, pois Maicon sentiu problema na coxa. E ele mostrou por que é o melhor jogador gremista da temporada. Experimentou o goleiro do River aos 16 em chute de fora da área. Aos 21, perdeu grande chance ao chegar cara a cara com Armani e esbarrar em defesa do arqueiro. Por fim, o gol perdido fez falta. E o Grêmio não teve forças para se recuperar.

Paulo Miranda, em atuação impecável na vaga do suspenso Kannemann, sentiu cãibras e precisou sair aos 24 minutos do segundo tempo. Bressan entrou e, sem tocar na bola, recebeu cartão amarelo. Borré empatou de cabeça aos 36. A classificação ainda era gremista. Porém, aos 41, o lance que definiu o jogo. Scocco recebeu na entrada da área, girou e chutou alto. A bola desviou no braço de Bressan, algo que o árbitro Andrés Cunha não flagrou. Mas o VAR, sim. Alertado pelo assistente de vídeo, Cunha observou as imagens e marcou o pênalti. O zagueiro gremista entrou em desespero, foi para cima da arbitragem e acabou expulso. Saiu de campo em prantos. Após nove minutos de paralisação, Pity Martínez converteu a cobrança e deu a vitória ao River. Depois do apito final, os gremistas voltaram a pressionar a arbitragem, mas por pouco tempo.

O River Plate agora fica no aguardo do vencedor de Palmeiras e Boca Juniors, que se enfrentam às 21h45 de quarta-feira, na Arena Palmeiras. O time argentino bateu os brasileiros por 2 a 0 na Bombonera e tem vantagem no confronto. As finais serão disputadas nos dias 7 e 28 de novembro. Resta o Brasileirão ao Grêmio. No sábado, vai ao Independência bater de frente com o Atlético-MG, às 17h.

Enquanto os mais de 50 mil gremistas choraram a eliminação e a chance perdida de se tornar tetracampeões da Libertadores, os 4 mil argentinos que foram à Arena tomaram um banho de chuva e de alegria. No campo e nas arquibancadas, as lágrimas escorreram, e o estádio gremista virou o Monumental de Nuñez. Uma noite de terror na zona norte de Porto Alegre.

Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

28 outubro 2018

Campeonato Espanhol 2018/19: Em clássico sem Messi (contundido) e Cristiano Ronaldo (transferido), Barcelona goleia o Real Madrid recupera a liderança da competição e complica ainda mais a situação do técnico da equipe merengue

Com uma fratura no braço, Messi estava apenas na arquibancada do Camp Nou, mas o Barcelona contou com um Luis Suárez inspirado pelo companheiro de ataque para atropelar o maior rival e ampliar a pressão no Real Madrid. O uruguaio brilhou com um hat-trick neste domingo e conduziu o Barça na vitória por 5 a 1 que recolocou os catalães na liderança do Campeonato Espanhol. Num clássico só de gols sul-americanos, Philippe Coutinho e Vidal também marcaram, enquanto Marcelo descontou.

PRIMEIRO TEMPO

O primeiro tempo foi todo do Barcelona, que abriu o placar logo aos 10 minutos. Foram 30 passes até que Coutinho recebesse de Alba na área para mandar para o fundo das redes (foto), um recorde num jogo de clássico desde a temporada 2005/06 (quando começou esse tipo de contagem). Aos 27, Varane derrubou Suárez na área, e o VAR entrou em ação para que o juiz marcasse o pênalti. O próprio Suárez cobrou e converteu.

Aos 27 do primeiro tempo, Suárez foi ao chão em disputa com Varane na área, e o juiz Jose Sanchez, pela primeira vez na história de Real x Barça, usou o VAR para marcar a penalidade máxima.

SEGUNDO TEMPO

Na volta do intervalo, Lopetegui tirou Varane para a entrada de Vázquez e recolocou o Real no jogo. Aos quatro, Marcelo recebeu de Isco, tirou de Piqué e mandou para o fundo das redes. A pressão em busca do empate só aumentou com o passar do tempo, mas foi o Barça quem chegou ao gol. Suárez, de cabeça, fez o terceiro aos 29 e, de cavadinha, marcou o quarto aos 37. Por fim, Vidal fechou o caixão aos 41 após finalizar pelo alto cruzamento de Dembélé.

Com a goleada, o Barcelona recupera a liderança do Campeonato Espanhol, com 21 pontos - dois à frente do vice Atlético de Madrid. Já o Real, que vem de um empate e quatro derrotas nas últimas cinco rodadas, cai para a oitava colocação, com 14. A situação de Lopetegui fica ainda mais complicada.

É a primeira vez que o Real Madrid perde três partidas seguidas no Campeonato Espanhol desde 2009. A pressão sobre Lopetegui é grande e existe a possibilidade de demissão nas próximas horas. Além dos fracassos em campo, há a questão de Vinicius Junior.

Segundo o jornal "El País", a diretoria merengue não ficou nada satisfeita com o fato de o treinador ter relacionado o brasileiro e depois deixá-lo fora do banco, sobretudo depois de recorrer da suspensão pelo vermelho recebido em jogo do Castilla no fim de semana passado.

O atacante uruguaio mostrou toda a sua estrela ao marcar seu nono gol em 11 jogos contra o Real Madrid (apenas Josep Samitier conseguiu tal feito com a camisa catalã). Além disso, se tirarmos Messi, foi o primeiro jogador do Barcelona a anotar um hat-trick contra o maior rival desde Romário em 1994.

Mesmo sem uma atuação brilhante, Coutinho entrou para a seleta lista de brasileiros que já marcaram para o Barça contra o Real, ao lado de Evaristo, Romario, Ronaldo, Giovanni, Rivaldo, Sonny Anderson, Ronaldinho, Daniel Alves e Neymar. Outro convocado por Tite nesta semana, Arthur também foi titular e teve uma atuação consistente ao lado de Busquets e Rakitic no meio de campo catalão.

Do lado do Real, lateral se salvou com uma boa atuação e ainda balançou as redes pelo terceiro jogo seguido (um feito inédito em sua carreira). Entretanto, deixou gramado substituído a nove minutos do fim, com dores na coxa direita, e passou a preocupar (tanto a Tite quanto a Lopetegui, se seguir no cargo). Outro convocado para a Seleção brasileira, Casemiro perdeu a primeira no Camp Nou, após duas vitórias e dois empates na casa do maior rival.


Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

19 outubro 2018

Copa do Brasil 2018: Cruzeiro volta a vencer o Corinthians, dessa vez fora de casa, e conquista pela sexta vez o título da competição

O Cruzeiro é hexacampeão da Copa do Brasil! Depois de vencer o Corinthians por 1 a 0 na ida, o time de Mano Menezes superou novamente os paulistas nesta quarta-feira (17/10), fora de casa, por 2 a 1, em duelo marcado por participação decisiva do VAR (árbitro de vídeo). Apesar de ter entrado em campo em vantagem, a Raposa não teve vida fácil na arena Corinthians. O time abriu o placar no primeiro tempo, mas os paulistas empataram nos minutos iniciais da segunda etapa, de pênalti, e tiveram um gol anulado aos 24 minutos (ambos os lances com árbitro de vídeo). O Cruzeiro só foi respirar aliviado quando Arrascaeta marcou o segundo gol - e que golaço -, aos 34 minutos. O torcedor celeste pode comemorar! O clube é, agora, isoladamente o que mais vezes ergueu o troféu da competição. Além disso, tornou-se o único a vencer o torneio duas vezes consecutivas.

PRIMEIRO TEMPO

O primeiro tempo começou muito truncado. Para se ter uma ideia, aos 20 minutos o árbitro Wagner do Nascimento já tinha marcado 15 faltas e distribuído dois cartões amarelos. E, em jogos estudados, os erros podem ser fatais. Aos 27 minutos, Léo Santos bobeou pela direita, perdeu a bola para Rafinha, que tocou para Barcos na entrada da área. O centroavante limpou para o meio, bateu na trave, e viu a bola sobrar caprichosamente nos pés de Robinho, que estufou as redes com um chute de primeira. Mesmo com o gol, a partida seguiu muito estudada, e as duas principais oportunidades foram em bolas aéreas. Aos 33, Dedé aproveitou cruzamento de Thiago Neves e cabeceou muito forte na trave de Cássio. Dois minutos depois, foi a vez do alvinegro Henrique assustar pelo alto. Ele aproveitou cobrança de Jadson para testar sozinho, mas a bola passou raspando a trave da meta defendida por Fábio. Os primeiros 45 minutos terminaram mesmo com o placar magro.

SEGUNDO TEMPO

O Corinthians a essa altura precisava de uma virada para levar a decisão para os pênaltis. Até por isso começou em cima. Logo aos sete minutos, depois de muita polêmica e uso do VAR, o árbitro Wagner do Nascimento marcou pênalti de Thiago Neves em Ralf, e a cobrança foi convertida por Jadson. Na primeira metade dos 45 minutos finais, a única chance da Raposa foi com Léo, aos 15, em chute defendido por Cássio praticamente em cima da linha. Aos 24, um susto para o time cruzeirense. Pedrinho acertou a gaveta de Fábio em um arremate quase do meio-campo, mas, novamente com o auxílio do árbitro de vídeo, Wagner do Nascimento anulou o que seria o segundo gol do Corinthians. A partir daí os paulistas não conseguiram mais levar perigo a Fábio, e, aos 36 minutos, Arrascaeta, que foi acionado por Mano durante a segunda etapa, marcou um golaço para dar números finais à partida e garantir o hexacampeonato celeste.

VAR APARECE DUAS VEZES NA FINAL

A primeira vez que o VAR foi usado de maneira decisiva na partida foi aos cinco minutos do segundo tempo. Thiago Neves deu carrinho em Ralf na área, o volante corintiano caiu e o árbitro Wagner do Nascimento mandou seguir. No entanto, assim que a bola parou, ele foi pessoalmente assistir ao lance na câmera à beira do gramado. Cerca de três minutos depois, assinalou pênalti. Jadson converteu com maestria para o gol de empate.

E o árbitro de vídeo "agiu" novamente aos 24 minutos, quando Pedrinho aproveitou rebote para acertar um belíssimo chute no ângulo de Fábio. Dedé ficou caído, reclamando de um tapa de Jadson no início da jogada. Wagner do Nascimento mais uma vez foi consultar o VAR, decidiu anular o gol - que àquela altura levaria a decisão para os pênaltis - e dar cartão amarelo para Jadson.

Arrascaeta era dúvida para a partida. Ele entrou em campo na manhã dessa terça-feira, no Japão, para defender a seleção uruguaia. O Cruzeiro fez questão de investir R$ 60 mil para que o meia retornasse do país asiático e estivesse em campo na Arena Corinthians na noite desta quarta. E o investimento deu certo. O camisa 10 ficou no banco, foi acionado por Mano Menezes aos 16 minutos do segundo tempo e marcou o gol da vitória aos 34.

O triunfo do Cruzeiro na Arena Corinthians não surpreende se a campanha for analisada desde o início. A equipe, que entrou nas oitavas de final da Copa do Brasil pelo fato de ter disputado a Libertadores, venceu os quatro jogos que fez longe do Mineirão: 2 a 1 no Atlético-PR, nas oitavas; 1 a 0 no Santos, nas quartas; 1 a 0 no Palmeiras nas semifinais; e 2 a 1 sobre o Corinthians.

Os dois times entram em campo no domingo pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Corinthians vai a Salvador onde enfrenta o Vitória às 16h no Barradão. Já o Cruzeiro, recebe a Chapecoense, às 19h, no Independência.


Jogadores do Cruzeiro comemoram o título da Copa do Brasil 2018!!!! (imagem: Terra- Leonardo Benassatto / Reuters)


Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »

05 outubro 2018

Taça Libertadores 2018: Cruzeiro empata com o Boca Juniors e está eliminado da competição

O Cruzeiro está eliminado da Copa Libertadores. Nesta quinta-feira, no lotado Mineirão, o time lutou até o fim, mas foi pouco criativo e empatou com o Boca Juniors por 1 a 1, resultado insuficiente para classificá-lo às semifinais da competição. Agora, então, o time argentino será o rival do Palmeiras na busca por uma vaga na final.

O Boca havia vencido o duelo de ida, em casa, por 2 a 0, o que forçava o Cruzeiro a reverter essa desvantagem, algo que o time não conseguiu. Até abriu o placar com Sassá na etapa final, mas voltou a ter Dedé expulso, assim como ocorrera na Argentina, e sofreu o gol de empate nos acréscimos, após falha de Léo, o seu outro zagueiro titular, deixando o torneio continental.

Agora, então, o Cruzeiro vai se concentrar na decisão da Copa do Brasil, sendo que o primeiro jogo da decisão está marcado para a próxima quarta-feira, no Mineirão, contra o Corinthians. Já as semifinais da Libertadores tem os meios de semana de 24 e 31 de outubro como datas-base.

Uma finalização com menos de 15 segundos. O chute de Arrascaeta defendido por Rossi parecia indicar que o Cruzeiro iria impor pressão sufocante sobre o Boca Juniors, mas não foi isso que aconteceu. O time argentino se defendia bem, aproveitava os erros de passe do time mineiro e fazia o tempo passar com a demora de Rossi para repor as saídas de bola. E foi do Boca a primeira chance de gol, aos dez minutos, em finalização de longe de Pablo Pérez.

O Cruzeiro insistia em jogadas pela esquerda, com Egídio e Arrascaeta, mas falhava nos passes e parecia nervoso, o que acabava se transformando em erros. Assim, o time só era perigoso em jogadas aéreas e como em uma finalização de longe Lucas Silva, aos 40 minutos, defendida por Rossi. E nos acréscimos, o time mineiro teve um gol de Barcos anulado por falta de Dedé no goleiro adversário.

Para irritar ainda mais o Cruzeiro, mas em outra decisão acertada da arbitragem, o uruguaio Andrés Cunha deixou de marcar pênalti em Arrascaeta por impedimento de Barcos no começo da etapa final. Mas a revolta se transformou em festa quase na sequência. Afinal, aos 12 minutos, após Arrascaeta cobrar escanteio, Léo desviou, a bola bateu em Barcos e sobrou para Sassá, em seu primeiro toque na bola após sair do banco de reservas, abrir o placar no Mineirão.

O gol elevou os ânimos do Cruzeiro, mas o time, apesar do seu espírito de luta, não conseguia criar chances de gol. E ficou em situação ainda mais complicada aos 35 minutos, quando Dedé foi expulso. O Boca esteve próximo de empatar o jogo aos 38, após Gago cobroar falta, e Ábila, debaixo do gol, perder chance, com a bola tocando a trave de Fábio.

O Cruzeiro, mesmo com um a menos, não deixou de lutar. Mas perdeu uma chance incrível aos 42 minutos. No lance, Edilson cruzou para Thiago Neves, Rossi cortou mal e a bola sobra para Raniel, que tentou dominar e não conseguiu finalizar.

Mas quem marcou foi o Boca. Aos 48, Gago cobrou falta, Ábila desvia de peito, Léo falhou ao tentar cortar e Pavón finalizou forte, empatando o jogo e eliminando o Cruzeiro, que encerrou o sonho de conquistar o seu terceiro título da Libertadores.

Fonte: Estadão
Leia Mais »

04 outubro 2018

Copa Sul-Americana 2018: Fluminense vence o Deportivo Cuenca e avança para a próxima fase

Sem fazer esforço, o Fluminense repetiu o placar conquistado no Equador e venceu o Deportivo Cuenca por 2 a 0. Bom para os quase 40 mil tricolores que foram ao Maracanã e fizeram festa durante quase todos os 90 minutos. Jogo muito fácil.

Digão e Richard fizeram os gols em um triunfo no qual o adversário não incomodou ofensivamente, deu espaços atrás e se limitou a bater. Depois de rivais fracos, o Fluminense agora terá um tradicional adversário e que vem de uma classificação heróica contra o San Lorenzo.

Primeiro Tempo

Sem ser ameaçado e parado somente com muitas faltas no primeiro tempo, o Fluminense demorou a chegar com perigo. Abriu o placar aos 33 minutos, com Digão. Depois disso, exerceu forte pressão em boas jogadas de Everaldo e poderia ter ido para o intervalo com uma vantagem melhor.

Segundo Tempo

Na etapa final, o Fluminense manteve o ritmo de treino. O rival deu um susto no primeiro minuto, após saída em falso de Júlio César, Pita não aproveitou bom lançamento de Cuero e chutou para fora.

Na sequência do duelo, o Tricolor cozinhou o jogo e construía suas principais tramas pelo lado esquerdo com o inspirado Everaldo e alguns avanços de Ayrton.

O segundo gol saiu em belo contra-ataque. Júnior Dutra, com poucos segundos em campo, esticou para Everaldo, que tocou na medida para Richard. O volante, com muita calma, bateu sem chances para Heras

Na noite desta quinta-feira, o Fluminense completou 100 jogos em competições da Conmebol. Foram 40 pela Sul-Americana, 54 confrontos pela Libertadores e seis pela Copa Mercosul. Foram 49 vitórias, 22 empates e 29 derrotas.

Everaldo foi o destaque tricolor. Muito veloz, levou pânico a Carabalí e Bedoya. Puxou contra-ataques, pisou muito na área e fez boas jogadas individuais. Foi dele o último passe antes de Richard fechar a conta.

Nas quartas de final, o Fluminense enfrenta o Nacional, do Uruguai. O primeiro confronto será no Rio de Janeiro. O próximo jogo é pelo Brasileiro, contra o Paraná, segunda-feira, às 20h. O Tricolor atualmente é o 10º colocado, com 34 pontos.

Fonte: globoesporte.com
Leia Mais »